Archipo.Wilson. Tecnologia do Blogger.

sábado, abril 16, 2016

Para Viver um Grande Amor

É preciso abrir todas as portas que fecham o coração.
Quebrar barreiras construídas ao longo do tempo,
Por amores do passado que foram em vão

É preciso muita renúncia em ser e mudança no pensar.
É preciso não esquecer que ninguém vem perfeito para nós!
É preciso ver o outro com os olhos da alma e se deixar cativar!

É preciso renunciar ao que não agrada ao seu amor...
Para que se moldem um ao outro como se molda uma escultura,
Aparando as arestas que podem machucar.

É como lapidar um diamante bruto...para fazê-lo brilhar!
E quando decidir que chegou a sua hora de amar,
Lembre-se que é preciso haver identificação de almas!

De gostos, de gestos, de pele...
No modo de sentir e de pensar!
É preciso ver a luz iluminar a aura,
Dando uma chance para que o amor te encontre

Na suavidade morna de uma noite calma...
É preciso se entregar de corpo e alma!
É preciso ter dentro do coração um sonho

Que se acalenta no desejo de: amar e ser amada!
É preciso conhecer no outro o ser tão procurado!
É preciso conquistar e se deixar seduzir...

Entrar no jogo da sedução e deixar fluir!
Amar com emoção para se saber sentir
A sensação do momento em que o amor te devora!

E quando você estiver vivendo no clímax dessa paixão,
Que sinta que essa foi a melhor de suas escolhas!
Que foi seu grande desafio... e o passo mais acertado

De todos os caminhos de sua vida trilhados!
Mas se assim não for...
Que nunca te arrependas pelo amor dado!
Faz parte da vida arriscar-se por um sonho...

Porque se não fosse assim, nunca teríamos sonhado!
Mas, antes de tudo, que você saiba que tem aliado.
Ele se chama TEMPO... seu melhor amigo.

Só ele pode dar todas as certezas do amanhã...
A certeza que... realmente você amou.
A certeza que... realmente você foi amada."

Carlos Drummond de Andrade

🌟🌟💦💦💫💫💦💦🌟🌟💖💖💕💕

Na Estrada da Pedra Pintada

No crepúsculo o esperado encontro
Aconteceu assim inesperadamente
Estavas muito elegante e faceira
De repente, como sempre de repente
O tempo já não era mais generoso com
A minha flor de tucumã, visivelmente.

Te vi de passagem, num relance
Mais velha, diferente, sofisticada, 
Mas perdida dentro de um abismo 
Pelas suas próprias mãos cavada
como já previa há muitos anos
a saudosa canção lhe dedicada

Passei todo o final de semana
Sempre na espera desse momento
Foi nosso primeiro reencontro
E fiquei num doloroso cerceamento
Há seis anos aconteceu a despedida
Na manhã do final do nosso casamento

Apesar de ser minha primeira visão
Passei a viagem num alumbramento
Com esse fantasma do meu passado
Assombrando o meu pensamento
Cada minuto era uma busca eterna
do porquê daquele alvoraçoamento

Os sinais sempre foram fortes
E voltava a questão insistentemente
Pra que trazer de volta, se Deus
Já havia afastado definitivamente?
Aquela obsessão na minha vida 
Foi há anos enterrada sabiamente.

A minha fuga era a eterna ilusão
De uma bela ninfeta ruiva indecisa
Entre os devaneios da bela mocidade
E a vida promíscua que bem capitaliza
a sobrevivência numa cidade libertina
Negociando seu corpo por divisa.

Era fim de tarde em Itacoatiara
Eu andava pelas ruas sem destino
Meus olhos te procuravam na noite
Mas o coração fugia daquele desatino
Não queria de volta o que vivemos
Fugia de tudo aquilo que abomino.

Ela teve um grande salto na natureza
Trocou a essência pela comodidade
Mas tudo aquilo me deu certeza
De sua improvável estabilidade
ou como sempre valorizando a beleza
Com sua escolha de artificidade.

Depois de 72 horas de dúvidas
Surgiu outro encontro na partida
Em um abraço, ela evidencia
Toda sua insegurança de vida
Na troca de olhares senti o peso
Do passado deixando-a constrangida

Foi bom encontrá-la em sua bastilha
e ver que todo aquele sentimento
não passava de uma armadilha
a paixão do passado é retrocedimento 
Só vencemos se perde o significado
deixando-se de ser um sofrimento.

É sempre preciso ter coragem
Para sepultar uma paixão
Fugir é deixar para sempre
Um sentimento no coração 
Ao reencontrá-la casualmente
Acabei com essa obsessão.

Archipo Góes
Itacoatiara - Janeiro de 2016