Archipo.Wilson. Tecnologia do Blogger.

sábado, junho 25, 2011

Grêmio Coari traz técnico campeoão pela Naça em 2007

Time que já foi campeão em 2005 volta a disputar a Série B e quer vaga na 1ª Divisão do Amazonense no ano que vem. Carlos Tozzi deve montar o time

Manaus, 24 de Junho de 2011

Carlos Eduardo Souza

Caslos Alberto Tozzi, 48 anos, vai dirigir o Grêmio Coariense na Série B do Campeonato Amazonense. O treinador está no Rio de Janeiro, onde reside e chega no domindo à noite, para trabalhar na segunda-feira. O Treinador disse que a diretoria do Grêmio quer montar um time para ser campeão da B e brigar em iguladade de condições com os grandes no Estadual do ano que vem.

Tozzi já passou pelo futebol amazonense> ele dirigiu o Nacional em 2007, quando o Naça conquistou seu último título. Tozzi estava trabalhando na 2ª Divisão do Futebol Carioca.

Perfil do treinador
Nome: Carlos Alberto Tozzi
Nascimento: 24/11/63
Natural: Rio de Janeiro-RJ
Histórico: Vidothon-ALE (1997); Uberlândia-MG (1998); Macaé-RJ (1999 / 2003 a 06); São Cristóvão-RJ (2000); Madureira-RJ (2001 a 02); Nova Iguaçu-RJ (2003); Nacional-AM (2007).
Títulos: 1999: Campeonato Carioca 2ª Div. (Macaé-RJ) e 2007: Campeonato Amazonense 1ª Div. (Nacional-AM).

Fonte:  acritica.uol.com.br

quarta-feira, junho 22, 2011

Acusados nas operações Saúva e Vorax serão julgados neste ano

Como uma das principais dificuldades para agilizar os processos, o juiz federal alegou a falta de estrutura da Justiça, com poucos magistrados para atuação em muitos casos.
Manaus - Membros do Fórum Estadual de Combate à Corrupção visitaram ontem o juiz da 2ª Vara da Justiça Federal, Márcio Freitas, que vai julgar os envolvidos nas operações Saúva e Vorax. Durante a visita, o magistrado informou ao grupo que até o final do ano serão julgados os envolvidos na operação Saúva, bem como começarão a ser ouvidas as testemunhas arroladas na operação Vorax.

Como uma das principais dificuldades para agilizar os processos, o juiz federal alegou a falta de estrutura da Justiça, com poucos magistrados para atuação em muitos casos. “No interior do Estado, temos muita dificuldade de atuar, porque faltam juízes para ouvir os acusados e as testemunhas em processos da Justiça Federal”.

Outro ponto que impede a celeridade para o julgamento dos processos, de acordo com o magistrado, é o próprio Código Processual, que dá margem a inúmeros recursos na Justiça. “Precisamos mudar essa legislação e melhor estruturar a nossa Justiça, além de criar varas especializadas em crimes de corrupção e de improbidade administrativa”, declarou Márcio.

O juiz mostrou ainda uma ‘pilha’ de caixas de processos relacionados à Vorax, com mais de cem volumes e cem caixas de documentos. No caso da Saúva, foram ouvidas 132 testemunhas, com 46 pessoas envolvidas.
Participaram da visita representantes do Sindicato dos Jornalistas, da Associação dos Docentes da Universidade Federal do Amazonas (Adua/Ufam), da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/AM) e os deputados Francisco Praciano e José Ricardo, ambos do PT.

Saúva
A operação Saúva foi deflagrada pela Polícia Federal (PF), em 11 de agosto de 2006 e desmontou um esquema de fraudes emlicitações públicas. Nesta operação a Polícia Federal (PF) prendeu cerca de 30 pessoas e cumpriu 64 mandados de busca e apreensão nos Estados do Amazonas, Rondônia, Rio de Janeiro, São Paulo, Ceará, Rio Grande do Norte e no Distrito Federal. Foram indiciadas 46 pessoas, incluindo vários funcionários da Comissão de Licitação do governo do Estado. Segundo a PF, foram criadas cerca de 30 empresas em processos licitatórios, sendo que 19 delas movimentaram em torno de R$ 354 milhões nos últimos seis anos.

Vorax
A operação Vorax foi deflagrada em Coari (AM), em 2008, e desarticulou, uma quadrilha que praticava esquemas de fraudes em licitações, desvio de verbas, crimes contra a administração pública e sonegação de impostos no município. Malas com dinheiro apreendido estavam em uma casa abandonada. A suspeita é de que o dinheiro foi desviado da prefeitura em fraudes em licitações. Segundo a PF 150 pessoas, entre funcionários públicos e empresários, estava envolvidas no esquema e sonegaram mais de R$ 30 milhões em impostos em cinco anos.

Fonte:  www.d24am.com

Qual a diferença entre drive e driver?

A diferença entre drive e driver pode ser demarcada apenas por um “r” a mais em uma das palavras. No entanto, apesar dessa semelhança de escrita, o emprego e o significado dos termos é bem diferente na prática.
Derivados do inglês, os termos fazem parte do mundo diário de quem trabalha com informática, mas podem confundir os usuários menos familiarizados com computadores. Preciso instalar um drive ou um driver? Fala-se drive ou driver de CD?
Ironicamente, o seu computador não sobrevive nenhum deles. Então, para evitar confusão, o primeiro grande ponto a ser observado é que os drives estão relacionados ao hardware, enquanto os drivers são softwares que permitem o funcionamento e comunicação dos dispositivos junto ao computador.

Drive

Em resumo, um drive é um componente físico da sua máquina que serve como uma unidade de armazenamento. Internamente, temos os clássicos drives de CD, DVD e Blu-ray, assim como alguns que caíram ou estão caindo em desuso, como o compartimento de disquete. Isso sem se esquecer do mais importante de todos: o disco rígido (HD).
(Fonte da imagem: Yanko Design)
Da mesma maneira, qualquer aparelho externo que armazena arquivos (pendrive, smartphone, câmera digital, tablet, cartão SD etc.), passa a ser considerado um drive quando conectado a alguma entrada USB do sistema. O mesmo também vale para HDs externos.

Onde vejo os drives no sistema?

Essa é fácil. Sempre que você acessa o “Computador”, ele representa os drives ativos através de letras (A:, C:, J:). Além de todos os dispositivos que citamos, toda e qualquer partição no HD passa a ser considerada um drive independente. Só por curiosidade, a maioria dos discos rígidos vem identificada com a letra “C:”.
Devido a um padrão antigo de computador, as unidades “A:” e “B:” sempre foram reservadas para disquetes e, mesmo com a defasagem da tecnologia, o conceito foi mantido — tanto que o Windows nunca renomeia um novo drive com as letras A ou B (só é possível fazer isso manualmente usando o Gerenciador de Dispositivos).
Toda vez que você conecta um pendrive ou outro periférico que reúna arquivos, o mecanismo será automaticamente considerado como um drive. Entretanto, já que se tratam de peças externas, é importante removê-las com segurança para evitar danos a elas e ao computador.

Driver

Em uma tradução ao pé da letra, “driver” significa motorista — e é essa mesmo a função de um driver em um computador. Ele atua como um verdadeiro controlador, transmitindo e interpretando dados entre o sistema operacional e uma peça de hardware.
Por exemplo, uma placa de vídeo off-board incrementa a capacidade de processamento gráfico de um computador. Assim sendo, ela tem suas próprias diretrizes e recursos que precisam ser identificados pelo sistema operacional. E é aí que entram os drivers.
(Fonte da imagem: Microsoft)
Eles atuam nessa etapa da comunicação, integrando máquina e periféricos.  Funcionam como softwares que traduzem os comandos dos hardwares para o sistema, possibilitando que os dispositivos funcionem corretamente.

Drivers e instalação

Geralmente, os drivers precisam ser instalados e os CDs ou pendrives de instalação acompanham o produto. No caso da falta do driver original, pode se buscar pelo arquivo para baixar no site do fabricante.
Outro ponto a ser levado em conta é a atualização dos drivers. Assim como acontece com softwares convencionais, novas versões (normalmente disponibilizadas gratuitamente) surgem para corrigir alguns erros e melhorar o desempenho dos componentes.

Há muitos componentes que são reconhecidos nativamente pelos sistemas operacionais ou já possuem drivers embutidos (estes são chamados de plug and play) — é o caso de pendrives, adaptadores Bluetooth e alguns modelos de placa de som, só para citar alguns.
...
Como já dito, um computador precisa de drives para acumular e acessar conteúdos, assim como é dependente de drivers para estabelecer a comunicação entre hardware e sistema operacional. Entretanto, onde há um drive, há um driver. Mas nem sempre onde há um driver, há um drive.
Complicou? Basicamente: todo componente que armazena dados (drive) precisa de um driver. Por outro lado, alguns periféricos, como placas de som e vídeo, necessitam de drivers para funcionar ao mesmo tempo em que não são considerados drives.
 

O dinheiro de Coari pode estar em Brasília

Saco de dinheiro

A pop­u­lação de Coari, mu­nicípio lo­cal­izado a 360 km da cap­ital ama­zo­nense, con­vive com um ver­dadeiro caos so­cial e econômico. De­pois de várias re­uniões pela ci­dade, fun­cionários públicos, com­er­ciantes, presta­dores de serviço, agricul­tores e es­tu­dantes in­gressam hoje (22), junto ao Min­istério Público Es­tadual (MPE), com pe­dido de blo­queio das contas da Prefeitura Mu­nic­ipal de Coari (PMC), pelo não cumpri­mento do cal­endário mensal de paga­mentos dos servi­dores e do 13º de 2010, que o próprio prefeito ap­re­sentou à justiça e se com­pro­m­eteu em cumprir. A in­ter­venção na prefeitura, também, será so­lic­i­tada na mesma ação. Apesar dos mil­hões de reais, que todos os meses en­tram no mu­nicípio, não se vê uma única obra custeada pela prefeitura.

Pelas ruas da ci­dade, a inda­gação é uma só : por que toda vez que o jul­ga­mento, no Tri­bunal Su­pe­rior Eleitoral, do prefeito afas­tado, Ro­drigo Alves, vai ser re­al­izado falta din­heiro nas contas da prefeitura, para pagar fornece­dores e salários dos fun­cionários públicos? Pela ci­dade se co­menta que é comum ver asses­sores como o pro­fessor Eloim e o próprio se­cretário de fi­nanças do mu­nicípio Aldemir Mi­touso, irmão do prefeito, passe­ando na cap­ital do País.

Co­menta-se que malas de din­heiro têm saído do mu­nicípio de lan­chas, com des­tino a Brasília (DF), via rio Purus, que, através de uma estrada de terra, chega a Porto Velho e, de lá, parte para a Cap­ital Fed­eral, em pe­quenos av­iões. Nos úl­timos vinte e sete dias, os cofres do ex­ec­u­tivo já re­ce­beram mais de R$ 20 mil­hões, mas, os paga­mentos estão atrasados. “A única coisa que fazem é lam­buzar de tinta e in­au­gurar escolas, sem bebedouros e merenda escolar”, protesta um pro­fessor que prefere não se iden­ti­ficar com medo da vi­o­lência que im­pera na ci­dade. Com a falta de pro­jetos, per­spec­tivas e obras que gerem ocu­pação e renda, a pop­u­lação se vê refém dos con­stantes as­saltos à mão ar­mada, de noite e de dia.
(Eledilson Co­lares)

terça-feira, junho 21, 2011

Coari : Operação apreende madeira, pirarucu e 600 quilos de jacarés

alt
alt
alt
alt
alt
COARI/AM (JÂNIO MORAES - En­viado Espe­cial ) – Uma op­er­ação con­junta, que en­volve poli­cias mil­itares do Batalhão Am­bi­ental, Polícia Civil e Sec­re­taria Mu­nic­ipal do Meio Am­bi­ente de Coari, apreendeu, em três dias, quase uma tonelada de cauda de jacaré, em mantas sal­gadas, cento e quinze quilos de peixe tam­baqui, fora do ta­manho per­mi­tido, oitenta e quatro quilos de pi­rarucu, além de carne de an­i­mais sil­vestres, entre eles veado e queixada. De­nom­i­nada “Mus­su­pari igara”, que sig­nifica três canoas na língua indí­gena ari­gatu, a op­er­ação que começou no sábado, dia 18 de junho, cen­traliza seu foco na região do rio Copeá, nas co­mu­nidades ribeir­inhas “Nossa Sen­hora do Per­pétuo So­corro da Boa Fé”, “Vila Fer­nandes” e “Nova Jerusalém”.(VEJA FOTOS)

Essa é a se­gunda op­er­ação de com­bate a crimes am­bi­en­tais, pro­movida pelo Batalhão de Poli­ci­a­mento Am­bi­ental do Ama­zonas, em 2011, na calha do rio Solimões. A primeira acon­teceu em Tefé, no mês de junho e ambas fazem parte do Curso Básico de Poli­ci­a­mento Am­bi­ental, pa­troci­nado pela Policia Mil­itar do Ama­zonas.

Co­man­dada pelo te­nente coronel PM Aroldo Ribeiro, um barco, três lan­chas ráp­idas e um con­tin­gente de 45 pes­soas, entre mil­itares e agentes civis, estão abor­dando em­bar­cações sus­peitas e fazendo averiguações nas residên­cias e flu­tu­antes. Acom­panha, também, a op­er­ação, o se­cretário mu­nic­ipal da SEMA\Coari, Fran­cisco Almeida Mon­teiro.

“Estaremos, cada vez mais, pre­sentes em ação como essa aqui em Coari. Os in­fratores tem que saber que, também, ex­istem leis que pro­tegem os an­i­mais e a na­tureza de um modo geral. Mas, não apenas apreen­demos, ori­en­tamos para que não haja rein­cidên­cias, o que diminui a ação dos crim­i­nosos”, re­lata o mil­itar, feste­jando o sucesso da op­er­ação em Coari.

Processos gerados pela "Operação Voráx" terão senteças até dezembro

De acordo com o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), secção Amazonas, Epitácio Almeida, na “Operação Saúva” foram ouvidas 132 testemunhas. No caso da Voráx, a estimativa é que esse número seja superado.

Manaus, 20 de Junho de 2011

Ana Carolina Barbosa

Processos gerados pela "Operação Voráx" terão senteças até dezembro (Divulgação )

Uma comissão formada por membros do Fórum de Combate à Corrupção esteve, hoje, na 2ª Vara Federal, onde foi recebida pelo juiz Márcio Coelho de Freitas, que garantiu sentenciar os três processos gerados a partir da “Operação Saúva”, deflagrada em 2006, ainda este ano. Já os gerados a partir da “Operação Voráx”, ocorrida em 2008, entrarão em fase de instrução, onde um número ainda indefinido de testemunhas deve ser ouvido. A sentença está prevista para 2012.

De acordo com o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), secção Amazonas, Epitácio Almeida, na “Operação Saúva” foram ouvidas 132 testemunhas. No caso da Voráx, a estimativa é que esse número seja superado. De acordo com Almeia, o atraso na tramitação dos processos gerados a partir da operação ocorreu por conta do foro privilegiado, já que parte dos envolvidos, como os ex-prefeitos Adail Pinheiro, Rodrigo Alves e José Lobo contribuíram para que os processos fossem avocados à instância superior.

 Agora que os processos retornaram à primeira instância, o juiz terá a possibilidade, conforme Almeida, de exercer o trabalho com maior celeridade. De acordo com ele, este é um ponto positivo, tendo em vista que, se condenados, os envolvidos estarão impossibilitados de concorrer a cargos públicos nas eleições de 2012, com base na Lei da Ficha Limpa.

O jornalista Wilson Reis, vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Amazonas, também membro da comissão, destacou que o objetivo da visita à Justiça Federal foi pedir agilidade nos processos em trâmite, pleito que, segundo ele, será atendido pelo juiz. “É necessário que se dê uma resposta à sociedade. Estamos trabalhando nessas ações, mas o elenco de demandas é muito grande e não passará despercebido pelo fórum”, afirmou. Ele destacou que o fórum, criado em 23 de maio, terá muito em breve um cronograma de ações considerando os processos já existentes na justiça.

O deputado federal Francisco Praciano e o deputado estadual José Ricardo, ambos do PT, além do professor Osvaldo Coelho, membro da Associação dos Docentes da Universidade Federal do Amazonas (Adua), estiveram presentes na ocasião. Praciano lembrou que existe uma cultura de impunidade em torno das fraudes no Estado e exemplificou com o fato de que pessoas indiciadas em operações deflagradas pela PF voltaram ao poder com a conivência das autoridades estaduais e municipais.

 Praciano não citou nomes, contudo, alguns nomes a frente de pastas municipais e estaduais que foram citados ou indiciados nas operações deflagradas pela Polícia Federal sob a alegação de fraude em licitações, entre outros, são: o secretário municipal de Finanças Alfredo Paes (Albatroz), o secretário de Estado da Fazenda Isper Abrahim (Voráx) e o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), desembargador Ari Moutinho (Albatroz).

Segundo Wilson Reis, trata-se de uma cultura gerada pela impunidade, e que será combatida pelo fórum de modo a conscientizar a população sobre os envolvidos, não deixando que os casos caiam no esquecimento da população. A comissão terá, ainda, o papel de cobrar das autoridades respostas à sociedade e soluções para os escândalos.

Cobranças e proposituras
Francisco Praciano explicou que estão inseridos no planejamento do fórum a criação de proposituras com a função de impedir o crescimento da corrupção, e a cobrança da sansão de leis cujos projetos já existem. Presidente da Frente Parlamentar Contra a Corrupção, ele destacou que um grupo de parlamentares reuniu, na última semana, os projetos de combate à corrupção que estavam pendentes na Câmara e no Senado Federal. Desses, vinte foram selecionados como prioridade e a primeira ação foi visitar todos os presidentes de comissões onde os projetos estavam parados.

“Só na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) são 45 projetos, ou porque foram protocolados e nem um relator foi indicado; ou porque o relator foi indicado e o parecer não surgiu e ninguém cobra; ou porque o parecer existe, foi dado e não tem votação e tem os que estão prontos para a pauta de votação”, ressaltou. Praciano garantiu que o presidente da CCJ, deputado João Paulo Cunha (PT-SP) se propôs a levar à votação os projetos com relatores e indicar relatores para os demais. O próximo compromisso, na esfera federal, será agendar reuniões com os presidentes da Câmara e do Senado, deputado Marco Maia (PT) e senador José Sarney (PMDB) para tratar do tema.

Fonte: ACrítica

Estudantes passaram uma semana como “deputados” e descobrem que tem coisa boa na política

Eleitos pelo voto direto de outros alunos em suas escolas da rede estadual de Educação, eles passaram a ter a consciência e o conhecimento necessários para experimentar a vida política

19 de Junho de 2011

Cesar Augustus Coelho/Jornal Acritica

Os jovens deputados do interior do Estado, em momento de descontração no alojamento da Secretaria de Estado da Educação (Bruno Kelly/Acritica)
 
A política é um instrumento essencial para as demandas e conquistas sociais. Essa é a outra visão de 24 estudantes que compõem o Parlamento Jovem e que antes viam esse campo com desconfiança. “Éramos alienados políticos”, afirmam.

Eleitos pelo voto direto de outros alunos em suas escolas da rede estadual de Educação, eles passaram a ter a consciência e o conhecimento necessários para experimentar a vida política, mesmo que em uma escala menor. Cheios de sonhos, como qualquer jovem, alguns dos novos parlamentares redirecionaram seus objetivos de vida para se adequar a um possível futuro na política amazonense.

Para a futura engenheira civil Sarah Jane Colares da Silva, 18, que preside o Parlamento Jovem, seu espírito de liderança e a vontade de mudar as coisas foram essenciais para sua eleição e ingresso entre os jovens deputados. “Sempre achei que eu tinha potencial para mudar as coisas e sei que tenho capacidade para isso. Fazer parte do Parlamento Jovem é uma experiência incrível, que me fez ver a política de forma diferente”, disse a aluna da Escola Estadual Francisco Albuquerque, no Centro de Manaus, que chegou a ser alertada por seus colegas de classe para “não se corromper”. “Infelizmente essa é a visão que, de modo geral, os jovens têm do cenário político”, lamentou a estudante.

Apaixonada por Matemática, Sarah é autora da proposta “Semana Estadual das Ciências Exatas da Rede Pública de Ensino”. Segundo ela, o objetivo é que alunos da rede pública tenham maior interesse por Matemática, Química e Física, após participarem de experimentos práticos. “É importante para os estudantes terem uma visão real daquilo que aprendem apenas na teoria em sala de aula”, defendeu ela.

Diego Pacheco Sobrinho, 22, estudante da Escola Estadual Ângelo Ramazzotti, já era chamado de “deputado” pelos próprios colegas de classe, antes mesmo de se tornar um, em virtude de sua paixão pela política. “Sempre gostei da política. É algo que está em minha veia. Quando minha escola foi selecionada para participar do projeto, todos na minha sala já olharam para mim”, comentou.

Filho de um feirante e de uma vendedora autônoma, o estudante é o mais velho integrante do Parlamento Jovem e ficou com a responsabilidade de abrir a primeira sessão plenária da atual legislatura. “Foi uma honra e uma emoção muito grande ter ficado ao lado do presidente da Assembleia Legislativa, que é o responsável pelo Poder Legislativo de nosso Estado”, disse, referindo-se ao deputado estadual Ricardo Nicolau (PRP).
Com o objetivo de se formar em História e de ter acesso ao Ensino Superior através do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), Diego aposta na participação do movimento estudantil como uma boa escola para sua futura carreira política.

“Penso que as lições que tivemos durante as duas semanas em que compomos o Parlamento Jovem são suficientes como reforço de uma base ideológica, onde a visão de mundo, da política e dos conceitos de ética nos transformaram completamente”. É o que destaca o jovem deputado autor da proposta de instituição do “Dia da Consciência Jovem” que, segundo ele, deve ser comemorado todo o dia 28 de março, “em virtude da morte do estudante carioca Edson Luiz, em 1968, que originou a passeata dos 100 mil contra o regime militar”.

Mudança no pensamento político
Para Karine Loran Silva dos Anjos, 18, da Escola Estadual Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Coari (a 363 quilômetros de Manaus), as aulas que recebeu durante as duas semanas em que atuou como Jovem Deputada foram uma experiência gratificante. “Eu era uma alienada política. Hoje, penso diferente, pois vejo como ela é importante para a sociedade”.
A proposta da futura administradora, ou gerente de Marketing, é a “Legalização de Venda Eletrônica Coletiva de Produtos e Serviços na Internet”, na mesma linha de seu “padrinho legislativo”, deputado Marcos Rotta (PMDB).

Tarcísio Ferreira, 16, da Escola Estadual Senador João Bosco Ramos de Lima, de Parintins (a 325 km de Manaus), sonha em ser médico cardiologista e diz que “o conceito de política nos ensina a ter um compromisso verdadeiro com a sociedade e suas causas”. O “afilhado legislativo” da deputada Conceição Sampaio (PP) tem como proposta a “Criação do Programa de Prevenção à Gravidez na Adolescência”.

‘Ex-deputado’ quer oportunidade
O ex-jovem deputado Rodrigo Furtado da Silva, 21, foi vice-presidente do Parlamento Jovem Nacional, em Brasília (DF), em 2009. Hoje, desempregado e sem oportunidades, critica o fato do Parlamento Jovem ser “apenas uma atividade educativa, que não cria oportunidades reais para o aprendizado profissionalizante dos estudantes”.

Como jovem parlamentar, aos 19 anos, se destacou na época com uma proposta de “Reaproveitamento de pó de madeira nas empresas”, que foi eleita como a representante do Amazonas no País.

Rodrigo acredita que o Parlamento Jovem poderia estender cursos para aqueles alunos que não tem condições de pagar seus estudos e que demonstram interesse e potencial. “Ainda não ingressei numa faculdade por dificuldades financeiras. Acho que a Escola do Parlamento poderia nos oferecer um curso de inglês e outro profissionalizante, para que pudéssemos ter a oportunidade de trabalhar e desenvolvermos nosso potencial no mercado de trabalho”, criticou ele.

Rotina cheia para aprender a legislar
O projeto Parlamento Jovem é feito em parceria com a Secretaria de Estado da Educação (Seduc), que seleciona as escolas anualmente. Ao todo, são 48 estudantes, sendo 24 titulares e 24 suplentes. Só os primeiros apresentam projetos.

Do total de jovens parlamentares titulares, 15 são de Manaus e nove são do interior. Entre estes, há estudantes dos municípios de Maués, Iranduba, Codajás, Coari, Parintins, Silves e Novo Airão. Durante duas semanas, os jovens participam de cursos que ensinam Conceitos de Política, Ética, Cidadania, além do Regimento Interno da ALE-AM, Constituição Federal, Estadual e Lei Orgânica de Manaus (Loman).

Com uma rotina pesada, eles participam de aulas diárias de 8h às 17h e ainda têm que apresentar dois projetos: um estadual e outro federal, que podem, ou não, tornar-se lei. Todas as despesas dos alunos, da capital e interior são custeados pela Escola do Legislativo e Seduc.

Para a diretora da Escola do Legislativo e uma das responsáveis pelo projeto Parlamento Jovem, Jaqueline Ferretti Monteiro, a experiência vivida pelos estudantes pode ser aplicada em várias áreas de suas vidas. Segundo ela, uma das grandes dificuldades que atrapalham os alunos a participarem é o acesso à capital.
Mesmo diante de algumas frustrações, o ex-parlamentar ingressou no movimento estudantil e hoje é vice-presidente da União Municipal dos Estudantes (Umes).

Projetos reforçam  questões ambientais
Com foco no desenvolvimento sustentável da Amazônia e do Brasil como um todo, a preservação do meio ambiente foi a tônica principal dos projetos de lei apresentados pelos 24 deputados estaduais jovens na primeira reunião plenária do Parlamento Jovem, realizada na última terça-feira na ALE-AM.
Os parlamentares demonstraram grande preocupação com a destinação correta do lixo, fizeram uma ostensiva defesa dos processos de reciclagem dos resíduos sólidos e orgânicos e abordaram ainda questões sobre a importância das campanhas nacionais e internacionais de conscientização da população para preservar o planeta.

O deputado jovem Gustavo Henrique Rezende propôs que a educação ambiental seja instituída como disciplina do currículo escolar de todas as unidades da rede pública de ensino no Amazonas. Já Djerlyson Negreiros fez uma defesa radical da biodiversidade do planeta, propondo a criação do monitor do meio ambiente nas escolas estaduais, cujo cargo seria exercido pelos alunos mais indisciplinados. E a deputada Brenda Costa Martins defendeu o reaproveitamento de CDs que poderiam ser reciclados e utilizados, segundo ela, na fabricação de naves especiais, de chips, computadores, entre outros aparelhos eletroeletrônicos.

Fonte: ACrítica

domingo, junho 19, 2011

Coari e a velha história da corrupção Tudo que é político desonesto fixou moradia no município do Solimões...


Tentáculos alcançam outras peças raras, como Bessa, em Tefé
O pega-pra-capar que envolve Adail Pinheiro, seu ex-vice e sucessor, Rodrigo Alves, e Arnaldo Mitouso, o atual prefeito, foi adiado no TSE, a suprema corte eleitoral, nesta terça-feira. Havia mais advogado que juiz, pagos a peso de ouro, dos royalties da Petrobras ou da merenda escolar, para os réus ou requerentes não importa. Na hora da suspensão da sessão havia cinco advogados inscritos para falar e durante a audiência que decidiria a disputa sobre a Prefeitura de Coari, a interferência das armadilhas e expedientes só confirmavam um fato: a legislação brasileira tem tudo e mais um pouco pra proteger o meliante abonado. Basta contratar bons advogados. Estrategicamente, portanto, o Superior Tribunal Eleitoral (TSE) adiou a sessão, alegando a necessidade de um refresco em razão do adiantado da hora. Adail Rodrigo e Mitouso só pensam naquilo e são capazes de negociar a mãe a preços módicos para conseguir seus intentos pecuniários.

Tudo posso naquele que me financia
O TSE julga o recurso que resultou na cassação do ex-prefeito Rodrigo Alves, vice de Adail Pinheiro. Ambos, ex-prefeitos de Coari, tentam anular a eleição que colocou no cargo de prefeito de Coari, Arnaldo Mitouso. O presidente do TSE, ministro Ricardo Lewandowski, resolveu deixar o julgamento para outra sessão, que pode acontecer até nesta quinta-feira, e tem a colaboração discreta porém articulada e poderosa de Átila Lins, um companheiro de velhos carnavais. O deputado federal do PMDB, com seu estilo silencioso e ousado tudo pode a favor daquele que o fortalece do ponto de vista pecuniário e desde 2001 segura todas e mais algumas encrencas que pintam em Brasília contra o esquema Adail. A compensação, porém, te sido generosa.

Franciscano suspeito
O esquema de Adail também desestabiliza e incrimina Mitouso, cujo passado não é dos mais franciscanos nem pacíficos. O processo onde o prefeito do município de Coari é acusado de matar o ex-prefeito do mesmo município e médico Odair Carlos Geraldo, dizem os blogs de Adail, está próximo ir a julgamento. “A Ação Penal interposta pelo Ministério Público do Estado do Amazonas, nos autos da Ação Criminal n.º 005/2000, contra Arnaldo Almeida Mitouso teve movimentação recente”. Não importa, cá pra nós, se esse recente tem 5 anos. Segundo os blogs de Coari, o O Ministério publico ja apresentou as alegações finais, e no último dia 22 o advogado do atual prefeito de Coari Dr. Kennedy Monteiro de Oliveira, fez carga do processo para fazer as alegações finais da defesa no prazo de 15 dias, depois disso o processo ja vai a julgamento pelo tribunal pleno do TJAM.”

Corrupção eterna
Várias missões cívicas desembarcaram em Coari para pegar Adail, mas a força que o protege, além de um exercito de advogados, tem governadores e ex-presidente da República. Controladoria-Geral da União – CGU, Receita Federal do Brasil, Polícia Federal, com o apoio operacional da Marinha, Exército e Aeronáutica, tentaram desarticular a organização criminosa que se estabeleceu na administração do Município de Coari/AM desde o ano de 2001, atuando em desvios de recursos públicos, oriundos de Convênios Federais, estaduais e municipais, mediante fraudes sistemáticas em licitações, falsificação de documentos, corrupção, peculato, lavagem de dinheiro, sonegação fiscal, dentre outros crimes. Como o esquema fraudulento funciona desde o ano de 2001, é praticamente, impossível aferir o exato valor dos desvios até agora realizados. Entretanto, as investigações detectaram que no esquema foram repassados recursos que ultrapassam de 900 milhões em 10 anos.

Aliança suja
Ar­naldo Mi­touso, que também é acusado de atrasar salários dos fun­cionários desde o primeiro dia que as­sumiu o cargo, segundo publicou o Blog da Floresta, está sendo acu­sado  em represe­ntação que chegou à Justiça Eleitoral, de ter pro­movido a maior enx­ur­rada de din­heiro nas eleições de Coari em prol de seu can­didato Wezeman. Parece que se formou uma aliança dos fichas sujas em Coari e Tefé. Estão juntos e no mesmo barco Ar­naldo Mi­toso, Adail Pin­heiro, Sidônio Trindade e Hélio Bessa. Os três úl­timos tiveram o mandato cas­sado. Adail e Hélio Bessa por im­pro­bidade. Sidônio é pro­ces­sado crim­i­nal­mente por ter es­tuprado uma es­tu­dante de 13 anos de idade ao atraí-la para sua residência, prom­e­tendo-lhe tra­balho. Ar­naldo Mi­touso ainda não foi cas­sado, mas pelo andar da car­ru­agem mais cedo ou mais tarde poderá ser esse o seu des­tino. Mi­touso também é réu no pro­cesso de as­sas­si­nato de um ex-prefeito.

Fonte: O Maskate

TSE: Balieiro pede adiamento e caso Coari é retirado de pauta

O julgamento da Ação de Investigação Judicial Eleitoral, que poderá terminar com mudanças na prefeitura de Coari, foi adiado mais uma vez  pelo Tribunal Superior Eleitoral.

O adiamento atendeu  a uma  solicitação   do advogado Francisco Rodrigues Balieiro,, que alegou em petição interposta ontem não poder estar presente na sessão do Pleno do TSE, nesta quinta-feira.

Na petição endereçada ao ministro Marco Aurélio, relator da matéria, Balieiro  diz  que esteve presente na sessão da última terça-feira, para fazer sustentação oral de seu cliente, Adail Pinheiro,  mas como devido ao avançar da hora acabou sendo adiada, por compromissos em Manaus não teria como estar presente na sessão desta quinta-feira.

 Marco Aurélio deferiu o pedido transferindo o julgamento para sessão da próxima terça-feira, dia 21.

Entenda o caso
O ex-prefeito de Coari Rodrigo Alves perdeu o mandato dia 7 de julho de 2009, quando o Pleno do Tribunal Regional Eleitoral o cassou e declarou Adail Pinheiro inelegível por três anos. Também perderam os mandatos os vereadores Adão da Silva, José Henrique e mais o ex-vice, Leondino Coelho de Menezes.

DECISÃO

ADIAMENTO - DEFERIMENTO.

1. O Gabinete prestou as seguintes informações:
Manoel Adail Amaral Pinheiro, em peça subscrita por profissional da advocacia regularmente credenciado, requer seja adiado o julgamento do Recurso Especial Eleitoral nº 35900, preferencialmente, para a próxima terça-feira, 21 de junho de 2011.

Consoante alega, o subscritor deslocou-se de Manaus/AM para Brasília a fim de proceder à sustentação oral no julgamento designado para o dia 14 de junho de 2011, o qual não ocorreu e foi adiado para a sessão ordinária de hoje. Sustenta que o patrono, devido a compromissos anteriormente assumidos, relacionados à profissão, não poderá estar presente e entende ser a aludida sustentação fundamental para prestar esclarecimentos.

Anoto que, no processo autuado como Recurso Especial Eleitoral nº 35900, há quatro recursos especiais.

A Secretaria Judiciária informou estarem inscritos para as sustentações orais o Doutor José Eduardo Rangel de Alckmin, pelos recorrentes Adão Martins da Silva e José Henrique de Oliveira Freitas, o Doutor Fernando Neves da Silva, pelos recorrentes Rodrigo Alves e Leondino Coelho, o Doutor José Júlio dos Reis, pelo assistente do recorrido, Arnaldo Almeida Mitouso, e a Doutora Sandra Cureau, pelo Ministério Público Eleitoral.

Com exceção do Doutor Francisco Rodrigues Balieiro - causídico do recorrente Manoel Adail Amaral Pinheiro e subscritor deste requerimento -, os demais profissionais da advocacia residem em Brasília.

O processo está incluso na pauta de julgamentos.

2. Juntem.

3. Ante o quadro, defiro o pedido.

4. Publiquem.

Brasília, 16 de junho de 2011.

Ministro MARCO AURÉLIO
Relator